Perdão

Perdão, uma palavra com poucas letras, mas de muito poder. As pessoas costumam confundir perdão com desculpa, mas, embora sejam sinônimos, os seus reais significados são bem diferentes. Desculpa pedimos por esbarrar em alguém, por chegarmos atrasados em um compromisso. Desculpa é usado para coisas pequenas, não insignificantes, erros simples. Já o perdão é outro nível, pois pedimos perdão quando cometemos um erro grave. Quando você magoa alguém, por exemplo, fazendo-a com que perca a confiança em você, um pedido de desculpa seria como dormir com edredom num calor de quarenta graus, é inútil. Nesses casos o pedido de desculpa seria um descaso. O uso correto é o perdão. Pedimos perdão porque o arrependimento bate junto com o medo de perder alguém. Mas sabe o que é mais difícil do que saber quando pedir perdão? P-E-R-D-O-A-R. Perdoar, na minha concepção, é algo divino. As pessoas não tem facilidade para perdoar, pois existe uma coisa que a impede: a lembrança. É muito difícil perdoar alguém quando se lembra todos os dias o que aconteceu, e lembrar todos os dias magoa, machuca. E sabe por quê machuca? Porque você dá importância para a pessoa. Às vezes tudo o que você quer é esquecer o que aconteceu e voltar ao normal, mas você não consegue, porque de cinco em cinco minutos a sua mente passa um filme com tudo o que aconteceu, e você percebe que foi tirado como um bobo. Como é difícil chegar a um ponto em que tudo o que se viveu parece ter sido uma mentira. Como é difícil chegar a um ponto em que até o pedido de perdão parece falso. Como é difícil esquecer as coisas e, para piorar, vem a saudade. A saudade vem porque no fundo você sabe que algum momento foi verdadeiro, e então você sente falta das risadas, dos momentos bons. Aí chega no ponto em que está dividido entre a saudade e a mágoa, e então surge outro sentimento: a raiva. Raiva de sentir saudade, raiva de si mesmo. Raiva até da palavra perdão. E então você decide esquecer de tudo e de todos. Saiba que isso não é perdoar, e sim camuflar os sentimentos. Nós somos uma bomba de sentimentos que explode a cada momento, o que temos de aprender é controlar esses sentimentos. Existem pessoas que perdoam as outras por colocar na balança tudo o que a pessoa fez de certo e o que a pessoa fez de errado, pesando mais as boas lembranças. Gosto de pensar desta maneira, e não acho que você seja uma pessoa idiota por pensar assim, porque você perdoar alguém não o torna idiota e sim uma pessoa madura. Assim como o fato de você não conseguir perdoar não o tornará um orgulhoso. Você apenas se magoou demais. Mas será que é necessário guardar toda essa mágoa? Lembre-se de que a mágoa só faz mal à quem a carrega. Então, chega uma hora que você volta a pensar em tudo o que aconteceu e já não sente mais nada. Às vezes você até se esquece qual foi o real motivo do que aconteceu. E você pensa em todos os momentos, e a raiva já não dá mais nenhum sinal. Quando este momento chega, é porque você perdoou. E perdoou de coração. Não precisam voltar a ser como antes, seja um namoro ou uma amizade, mas a pessoa torna-se indiferente. A confiança poderá voltar com o tempo ou simplesmente vocês apenas irão se cumprimentar por educação, falar normalmente, mas saiba que você o perdoou, e essa é uma sensação divina. É claro que a saudade irá aparecer de vez em quando, isso é normal, afinal sempre somos invadidos por lembranças, mas estas já não mais serão intituladas como boas ou ruins. Serão apenas lembranças.

Larissa Lisboa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s