Gota d’água

Se olhou no espelho,

Mas não reconheceu

O que o reflexo mostrava:

Um alguém triste

Com o olhar distante e perdido.

Uma gota d’água percorreu seu rosto

E caiu no chão.

Silenciou o choro externamente,

Mas a cachoeira 

Que tornou-se suas lágrimas 

Mais pareciam uma tempestade,

Acompanhada pela banda sinfônica

De trovões turbulentos

Em sua mente.

O barulho interno era constante,

Gritante,

Berrante,

Angustiante.

As lágrimas escorriam

Na intensidade de um chuveiro ligado,

Jorrando água fria

Na mesma temperatura de seu coração.

Precisava chorar.

E chorou,

Desabafou,

Desabou.

E agora precisa se reconstruir.

Larissa Lisboa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s