Ponto de partida

Ela é a representação da palavra “partir” e suas derivações. Cada significado se adéqua minuciosamente à sua forma de agir, me deixando perplexo por não ser o seu dicionário. Não que eu quisesse dar sentido à vida dela, mas quem sabe com outras palavras pudéssemos construir uma oração e quiçá uma relação entre o meu sujeito e os seus predicados.
Ela queria um ponto de partida para ser feliz, então partiu. Se foi, partindo o meu coração. Não quis ser parte de mim e é um parto não tê-la mais aqui.
Ela queria partilhar suas histórias com o mundo, restando para mim apenas os sufixos dos quais eu ouvi falar.
Mas confesso que, a partir da sua ida que eu entendi que não adianta eu conhecer todas as palavras e seus significados. Ela tinha uma palavra própria e, por mais que eu argumentasse que existem sinônimos, a interpretação é pessoal e o eu-lírico não precisa de dicionário e sim da sua essência, que é o seu ponto de partida.

Larissa Lisboa.

Só conheci amor sem afeto

Pareço estar mais distante,

toda vez que acho estar perto.

Só conheci amor sem afeto

e amor assim, é casa sem teto.

Me dê algo, me faça acreditar,

faça o fogo do meu peito queimar.

Que amor é esse que não te faz lutar, não te faz estar?

É difícil, eu mal consigo alguém para conversar.

Só vi o amor passar, vi de longe longe, do outro lado da calçada,

Enquanto eu deixava a porta aberta esperando sua entrada.

Tudo bem, parece que hoje não é meu dia,

Fecho a porta, no fundo eu já sabia.

Só conheci amor sem afeto.

Nunca o tive por completo.

 

 

João Franco.

Quantos degraus da vida você precisa descer

Quantos degraus da vida você precisa descer

Para entender que:

A sua felicidade não depende de ninguém além de você.

Que a gente vai se machucar muito nessa vida, mas se isso vai te deixar mais forte ou fraco só depende de você.

Que o amor próprio evita decepções amorosas.

Que criar expectativa só vai te deixar nervosa e talvez não saia nada como você planejou, porque talvez as coisas saem mais perfeitas no momento em que não são planejadas.

Que a aceitação por quem você é começa desde os cabelos rebeldes até os pés tortos.

Que ninguém é tão superior a ponto de humilhar alguém.

Girlaine Beatriz.

Eles foram feitos um para o outro

Não há quem não diga

Que eles foram feitos um para o outro.

Dialogam pelo olhar

E conversam nas entrelinhas do sorriso.

Se reconhecem em uma musica,

Quiçá até a versão cantada por eles faz mais sentido.

Sem contar que o casaco dele cai muito bem nela

E mesmo que a meia dela não caiba nele,

O calor do amor que ali se faz presente

É o suficiente para aquecer o corpo num dia frio.

Ah, eles foram feitos um para o outro sim!

Demoraram para acreditar nisso

E até mesmo para concretizar esse romance,

Mas agora já não imaginam a vida sem a presença um do outro,

Sem os cafunés e abraços,

Sem os beijos adoçados

E sem os olhares que congelam o tempo

E eternizam o sentimento

Que explode em cada um.

Ah, eles foram feitos um para o outro mesmo!

E continuam diariamente se fazendo presente

Um para o outro,

Vivendo com a intensidade

Que o amor os permitem.

Larissa Lisboa.

Talvez esse texto seja o que você precisa ler hoje

As coisas não estão muito fáceis, não é verdade? Mas você tem seguido em frente todos os dias e tentando convencer a si mesmo de que tudo vai ficar bem. E vai!

Não sei quem você é, tampouco o seu nome e a sua idade, mas sei que, às vezes, tudo o que você gostaria de ouvir é alguém lhe perguntando como é que você está, como foi o seu dia e até mesmo uma mensagem com um “olá”, só para você saber que alguém que se importa com você está se manifestando.

Os estudos estão puxados demais, não é mesmo? O trabalho nem se fala. Chegou ao ponto de não saber se está feliz no emprego ou se está apenas dançando conforme a música. A única certeza é de que está sobrevivendo. Será que está mesmo? Será que está vivendo ou deixando a vida passar conforme empurra as coisas com a barriga?

Já se olhou no espelho hoje? Você é uma pessoa linda, sabia? Por dentro e por fora. Por mais que não acredite no reflexo, tenha certeza de que o que é refletido é pouco comparado ao tamanho da beleza da sua alma.

Sei que às vezes parece que tudo está conspirando contra a você, que tudo parece dar errado sempre e que você já não sabe mais o que fazer para dar certo, mas sabe de uma coisa? Você está seguindo em frente e isso é fazer dar certo. É você ter forças para ir atrás do que acredita, é se manter firme diante dos imprevistos que a vida lhe impõe. É você acordar todos os dias para fazer a diferença na sua vida. É você se levantar determinada a encarar o que tanto lhe aflige. É você ser você e não contrariar os seus princípios em prol do que o cerca.

Já pensou que a cada dia você está dando um passo a mais do que o dia anterior? E que, aos poucos, você está se aproximando do que tanto almeja?

Talvez o que você mais precisa é conversar consigo mesmo e ouvir tudo o que o seu coração tem a dizer. Talvez o reconhecimento que você precisa é o amor próprio. Talvez o que você precisa é se olhar no espelho e ver que a beleza que mais importa é a beleza da vida. Talvez o pontapé para a mudança é você se sentir bem consigo mesmo. E talvez esse texto seja o que você precisa ler hoje ou quem sabe seja apenas o que eu precisava escrever hoje.

Larissa Lisboa.

Ah, o sorriso!

Ah, o sorriso!

O sorriso tem o poder de traduzir um sentimento

E transparecer a alma

Seja ele como for:

Tímido,

Modesto,

Sem jeito,

Só com os lábios

Ou mostrando todos os dentes.

Tem aqueles acompanhados por uma gargalhada

E aqueles que te descompassam,

Amolecendo o seu corpo,

Fazendo com que você perca o equilíbrio.

Tem os sorrisos pelos olhos

E os que tiram o ar.

Ah, o sorriso!

Seja ele como for

É capaz de alterar um humor

E enriquecer a vida.

Sorria!

Só(r)ria!

Larissa Lisboa.

Eu sou a ansiedade

A agitação percorre pelo meu corpo

Inquietando a minha mente,

Deixando minhas pernas impacientes

De tanto caminhar.

Clamo por socorro

Em meio ao alvoroço emocional

Que se estabeleceu em meu interior.

Os olhos já estão cansados

De ver o mesmo reflexo cabisbaixo

De sempre

E as palavras já não mais me confortam

Mediante a angústia que faz soar

Cada sílaba dita.

Pensar no amanhã me deixa aflita,

Tornando as horas apreensivas,

Me afastando do que quero ser

E me aproximando do que eu mais temo…

Me descubro como ansiedade!

E em meu leito suplico

Pelo começo de um novo dia

Que não desconforte o meu interior.

Larissa Lisboa.